Fernando Estrada e Marlon Dalmoro avaliam análise de mercado de alunos sobre Portugal
Tempo de leitura: 4 minutos

Ao longo do semestre, a disciplina de Marketing Internacional da Universidade do Vale do Taquari (Univates) realiza um estudo de caso da empresa de pesquisa e desenvolvimento de softwares para gestão corporativa Interact, de Lajeado (RS). Na noite da última quarta-feira (22), a turma apresentou os primeiros avanços dos trabalhos na Interact Bridges, a Unidade de Pesquisa, Inovação e Internacionalização do Grupo Interact, no Parque Científico e Tecnológico do Vale do Taquari (Tecnovates).

Cinco grupos de alunos dos cursos de Comércio Exterior e Relações Internacionais são responsáveis pelas análises dos mercados da Argentina, Colômbia e Peru, onde a Interact já atua, e Espanha e Portugal, países em prospecção. Conforme o professor Marlon Dalmoro, o objetivo é aplicar as metodologias estudadas na disciplina para produção das análises de macroambiente empresarial com base em um caso real.

Essa é uma parceria do Centro de Gestão Organizacional da Univates com a Interact no desenvolvimento de trabalhos nas disciplinas. “Agora estamos na fase de apresentação dos resultados da análise ambiental, com os alunos tendo uma conversa com a gerência da área internacional da Interact. A partir daqui, projetamos um próximo momento em que eles vão elaborar estratégias para empresa nesses diferentes mercados”, explica Dalmoro.

Sala de aula reconfigurada

Nas palavras do professor, a resolução de problemas reais reconfigura a forma de pensar a sala de aula. “Historicamente, os estudantes nessa disciplina fazem uma atividade de análise de mercados internacionais, muitas vezes propõem produtos, mas sem o compromisso de fazer uma análise real que resulte em algo prático. Portanto, essa é uma oportunidade de gerar informações que de fato vão impactar no cotidiano de uma empresa, assim como é uma experiência diferente para os alunos de estar cara a cara com um gestor”, avalia.

Para o Diretor Operacional da Interact, Fernando Estrada, essa interação com os alunos é o aspecto mais importante. “O valor que geramos aqui é poder contribuir com essa experiência viva para os estudantes. Como o nosso próprio nome sugere, buscamos essa aproximação com a academia, com os cursos, com a Univates através do Tecnovates. Esse foi o objetivo principal da criação da Interact Bridges e penso que estamos contribuindo na geração dessas novas abordagens, chegando cada vez mais perto da universidade e da sociedade como um todo”, comenta.

Uma empresa internacional

O processo de internacionalização da Interact iniciou em 2011, com a criação da área de Negócios Internacionais. Sob supervisão do mestre em Direção Estratégia pela Universidade Politécnica da Catalunha, Fernando Estrada, o software da empresa de Lajeado no mesmo ano chegava aos vizinhos Argentina, Colômbia e Peru. Desde então, a Interact já firmou negócios em 11 países da América Latina.

No início do ano passado, a área de Negócios Internacionais passou a se chamar Interact Latam. Integrada à Interact Bridges, hoje conta ao todo com seis colaboradores, entre efetivos e estagiários. No ano passado, foi um dos destaques da pesquisa Trajetórias de Internacionalização das Empresas Brasileiras, elaborada pela Fundação Dom Cabral. O levantamento reflete o movimento internacional de empresas brasileiras de variados portes, setores e níveis de internacionalização. A Interact ficou na 48ª posição entre 69 selecionadas. No Rio Grande do Sul, apenas seis empresas aparecem na pesquisa.

Comentar

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.